domingo, 23 de março de 2014

Manifesto de um Cypherpunk


A privacidade é necessária para uma sociedade aberta, na era eletrônica. Privacidade não é segredo. Um assunto privado é algo que não se quer que o mundo inteiro saiba, mas um segredo é algo que não quer que ninguém saiba. A privacidade é o poder de forma seletiva revelar-se ao mundo. 


Se duas partes têm algum tipo de relacionamento, então cada um tem uma memória de sua interação. Cada uma das partes pode falar sobre sua própria memória de isso, como alguém poderia impedi-lo? Pode-se aprovar leis contra ela, mas a liberdade de expressão, ainda maior do que a privacidade, é fundamental para uma sociedade aberta, buscamos não restringir qualquer discurso em tudo. Se muitos partidos falam juntos no mesmo fórum, cada um pode falar com toda a outros e conhecimento juntos agregadas sobre os indivíduos e outro partes. O poder das comunicações eletrônicas permitiu tal discurso em grupo, e isso não vai desaparecer só porque podemos querer que pare. 

Desde que desejamos privacidade, temos de assegurar (para cada uma das partes) uma transação de conhecimento apenas do que é diretamente necessário. Uma vez que qualquer informação pode ser falada, nós devem assegurar que é revelado tão pouco quanto possível. Na maioria dos casos identidade pessoal não é necessário. Quando eu compro uma revista em uma loja em dinheiro,  não há necessidade para o funcionário de saber quem eu sou. Quando eu pedir ao meu provedor de correio eletrônico que envie e receba mensagens, o meu provedor não precisa saber com quem estou falando ou o que estou dizendo ou o que os outros estão dizendo para mim, meu fornecedor só precisa saber como passar a mensagem e quanto eu devo a ele. Quando a minha identidade é revelada pelo mecanismo subjacente à operação, Eu não tenho nenhuma privacidade. Não podendo me revelar seletivamente, devo _sempre_ me revelar. 

Portanto, a privacidade em uma sociedade aberta requer sistemas de transações anônimas. Até agora, o dinheiro tem sido o tal sistema primário. Uma sistema de transação anônimo não é um sistema de operação secreta. Uma sistema anônimo capacita as pessoas a revelar sua identidade quando desejado e apenas quando desejado, o que é a essência na vida privada. 

Privacidade em uma sociedade aberta também exige criptografia. Se eu disser alguma coisa, eu quero que seja ouvido apenas por aqueles a quem tenho a intenção. Se o teor do meu discurso está disponível para o mundo, eu não tenho privacidade. Para criptografar é indicar o desejo de privacidade, e criptografar com criptografia fraca é indicar não muito desejo de privacidade. Além disso, para revelar a identidade de alguém com segurança quando o padrão é o anonimato requer a assinatura criptográfica. 

Não podemos esperar que os governos, empresas ou outras grandes organizações nos conceda a privacidade. É vantajoso para eles falar de nós, e devemos esperar que eles vão falar. Para tentar impedir o seu discurso é lutar contra o realidades da informação. Informações não quer apenas ser livre, ele anseia por ser livre. Informações expande para preencher o disponível espaço de armazenamento. A informação é o primo mais jovem do Rumor, porém mais forte; A informação é ligeira, tem mais olhos, sabe mais, e entende menos de boatos. 

Devemos defender a nossa própria privacidade, se apenas esperamos não teremos. Devemos se unir e criar sistemas que permitem transações anônimas. As pessoas estão defendendo a sua privacidade por séculos, com sussurros, escuridão, envelopes, portas fechadas, apertos de mão secretas e pelos correios. As tecnologias do passado não permitiam uma  forte privacidade, mas as tecnologias eletrônicas podem. 

Nós os Cypherpunks somos dedicados a construção de sistemas anônimos. Nós estamos defendendo a nossa privacidade com criptografia, com sistemas de e-mail anônimo , com as assinaturas digitais e com dinheiro eletrônico . 

Cypherpunks escrevem código. Sabemos que alguém tem de escrever software para defender a privacidade, e uma vez que não pode ficar com menos privacidade, vamos escrevê-lo. Nós publicamos o nosso código para que os nossos companheiros Cypherpunks passam treinar e jogar com ele. Nosso código é livre para todos usarem no mundo inteiro. Nós não não nos importamos se você não aprovar a software que escrevemos. Sabemos que o software não pode ser destruída e que um sistema amplamente se dispersa, não pode ser desligado. 

Cypherpunks deplorar regulamentos em criptografia, a criptografia é fundamentalmente um ato privado. O ato de criptografar, de fato, remove informações do domínio público. Até mesmo as leis contra a criptografia servem apenas na medida de fronteira de uma nação e do braço de sua violência. A criptografia irá inevitavelmente se distribuir por todo o mundo, com os sistemas de transações anônimas que a torna possível. 

Para a privacidade ser difundida, deve ser parte de um contrato social. As pessoas devem vir juntos implantar esses sistemas para um bem comum. Privacidade só se estende tão longe como a cooperação de companheiros na sociedade. Nós os Cypherpunks buscamos suas perguntas e sua preocupações e esperamos poder envolvê-los, para que não enganem a nós mesmos. Nós, porém, não seremos movido para fora do nosso curso porque alguns podem não concordar com os nossos objetivos. 


Os Cypherpunks estão ativamente empenhados em fazer as redes mais seguras para privacidade. Vamos continuar juntos em ritmo acelerado. 

Avante! 

Eric Hughes <hughes@soda.berkeley.edu>  09 de marco de 1993

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Conheça o Software Público: livro sobre o SPB é lançado durante o CONSEGI 2012‏



Brasília, 6/12/2012 - A publicação “Software Público Brasileiro: Perspectiva Sistêmica” foi lançada pelo Ministério do Planejamento (MP) na tarde da última quarta-feira (5), durante a abertura do V Congresso Internacional de Software Livre e Governo Eletrônico (Consegi 2012). Um dos objetivos do livro é apontar os resultados desta política pública praticada há cinco anos pelo governo federal.

O secretário de logística e tecnologia da informação, Delfino Natal de Souza, explica que a publicação foi criada e editada pelo Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI) e faz um relato da criação do modelo Software Público Brasileiro (SPB). “O livreto explica o porquê do SPB poder ser visto como um ecossistema digital e também nos ajuda a entender o fenômeno desta política feita em prol da modernização da gestão pública”, disse.

Outro objetivo da publicação é apresentar uma ferramenta metodológica para abordar as questões de natureza sistêmica da política. O resultado demonstra como o SPB pode ser replicado em contextos similares.

No livro, podemos destacar também o processo de aplicação do método sistêmico no ambiente SPB. São descritos os principais resultados da aplicação desse método ao modelo SPB, especificamente o modelo de maturidade, o ambiente 5CQualiBR e as potencialidades da utilização de soluções públicas para a sociedade.

Qualquer cidadão pode baixar o documento em formato eletrônico através da sessão “Artigos” do Portal do Software Público Brasileiro [www.softwarepublico.gov.br] ou pelo endereço direto: [http://www.softwarepublico.gov.br/spb/download/file/Perspectiva_Sistemica].


URUGUAI

Durante a cerimônia de abertura, o Uruguai, país homenageado no Consegi 2012, anunciou a criação de um portal de software público inspirado na experiência brasileira. O SPB foi criado em abril de 2007 para compartilhar programas de computador de interesse público. As soluções disponíveis não possuem licenças que restrinjam seu uso ou o conhecimento pleno de seu funcionamento. O portal conta atualmente com 63 aplicações e mais de 150.000 usuários. 

Fonte: http://www.softwarepublico.gov.br/

domingo, 16 de dezembro de 2012

Survival Crisis Z


Estamos em uma era em que a zumbilândia vem à tona, muitos filmes, livros e jogos com a temática Zumbi. Claro que devemos todo louvor aos primeiros jogos nesse estilo, como Resident Evil; Area 51 (jogo de fliperama de tiro) e House of Death, hoje estamos cercados de novos jogos como Left 4 Dead, Dead Island, Day Z, War Z, City of Dead e os zumbis foram parar até no espaço em Dead Space. Mas estou aqui para apresentar um jogo que me surpreendeu muito mais que qualquer outro, e até hoje não vi nada comparado: 
Survival Crisis Z!
Se trata sim de um jogo com o gráfico fraco, que pode ser jogado online ou offline. Esse jogo é a prova que gráfico não determina se um jogo é realmente bom, ele é tão perfeito que supera muito os outros jogos com sua criatividade, complexabilidade e principalmente, tem um enredo de tirar o folego!

Jogabilidade
Vai lembrar um pouco a jogabilidade de Resident Evil, mas com a diferença que a visão é superior, de cima, a variedade de armas é grande, e a forma como você acerta um zumbi ou ser vivo, irá ter diferentes efeitos, como usar um lança chamas e ver um corpo andando em chamas. O jogo também é muito divertido, pode ser tenso em algumas horas principalmente quando a música muda e uma horda de zumbis vem de todos os lados correndo, e correndo muito!

Enredo
É uma cidade infestada de zumbis como todos os jogos do gênero, e dai? O lance é que você começa como uma pessoa neutra, e o mapa é dividido em facções, dentre elas os policiais. Conforme suas ações no decorrer do jogo, você poderá permanecer neutro ou irá tender a um dos lados, claro que se você começar com a profissão de policial será já amistoso aos policiais e inimigo dos bandidos. Mais uma vez os humanos se mostram tão ou mais perigosos que os mortos! Você ainda pode pegar missões com esses camaradas, terá que explodir prédio de facções rivais, buscar um determinado item, ou torturar o chefe local, e essa é uma das partes mais divertidas do jogo, onde você vê que a fita Silver tape realmente resolve tudo!



Como se não bastasse, você também pode tomar regiões para si, e montar sua própria facção.
Paralelamente você pode seguir a história principal do jogo e descobrir o que deu origem ao apocalipse zumbi, e acreditem, perto do fim é de dar medo, porque a explicação não é um mero vírus, é realmente bem bizarro, assustador e inesperado.

Quem produziu esse jogo?
É produzido pela Ska Studios, uma produtora independente fundada por James Silva em 2001. Uma produtora de jogos indie, utilizam e abusam de gráficos cartoon com extrema violência e sadismo, como poderão ver nesse jogo.

Se ficarem um pouco curiosos é só baixar de graça, melhor de tudo que não é crime, a Ska Stúdios agradece.
http://www.baixaki.com.br/download/survival-crisis-z.htm

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Feliz Dia das Crianças



Enquanto somos Doidos por Pc, acredito que a próxima geração não será necessariamente assim, pois tais ferramentes são naturalmente  assimilados na tenra idade, meu filho - por exemplo - não gosta de ver Pocoyo na Discovery Kids, no entanto se eu botar no youtube no meu laptop ele fica horas vendo comigo. Então me vem a pergunta o que as crianças serão doidos quando crescerem? Qual será a nova tecnologia que surgirá que pra eles será fascinante e para nós provável será "um absurdo".

- Menino saia desse Holodeck agora!!!!!!!!

Fonte da foto:  http://blog.educacaoadventista.org.br/

Feliz Dia das Crianças, até para os Rebeldes


Tire o Dia para sair com a turminha em aventuras incríveis